Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Jogo do Tigre” vira alvo de investigações e influenciadores digitais de JP estão na mira da polícia, revela jornalista

Img 3941

O mundo de fantasia que gera ilusão de muito dinheiro em pouco tempo e que leva pessoas ao endividamento e a beira do desespero pode estar com os dias contados. Em sua fala ao programa Arapuan Verdade, nesta quinta-feira (7), o jornalista Clilson Júnior revelou a existência de uma operação da polícia contra o ‘Jogo do tigrinho’, conhecido como ‘Fortune Tiger’ que mira influenciadores digitais por promoverem a divulgação desse jogo que é ilegal no Brasil.

Clilson Júnior destacou que após uma investigações da polícia foi identificado a existência de diversas vítimas do jogo de azar, que segue causando prejuízos financeiros e emocionais aos usuários. “Já ouviram falar no jogo do triguinho. Não tem regulamentação no Brasil, mas está virando uma febre e uma desgraça…Anotem a data de hoje, a Operação Fortune Tiger’ vai colocar na cadeia esses influenciadores digitais que vendem a ilusão de riqueza, mas estão deixando as pessoas internadas, loucas e dependentes”, revelou. 

O jornalista lembrou ainda do perigo que o jogo traz para a vida dos usuários. Segundo ele, uma onda de pessoas que chegam a pedir empréstimo ou vender o próprio patrimônio, além de diversos casos de adoecimento que está gerando até internações, também está sendo alvo da investigação da polícia paraibana. “Dezenas de pessoas internadas na Paraíba com total dependência nesse jogo”, disse alertando para o que chamou de “máfia do jogo do trigre”.

De acordo com ele, o jogo é uma espécie de pirâmide financeira com o recrutamento de influenciadores com promessa de pagamentos elevados. O Fortune Tiger é um jogo de cassino online que ganhos em dinheiro em curto tempo. Como em na maioria dos jogo de azar, o risco de perder dinheiro é grande. 

Ainda segundo ele, diversas denúncias estão sendo investigadas contra o sistema do Fortune Tiger que é hospedado fora do país, sendo considerado clandestino, pois não é legalizado no Brasil.