Prefeitura de João Pessoa apoia competição de jogos eletrônicos pela primeira vez

Prefeitura de João Pessoa apoia competição de jogos eletrônicos pela primeira vez

A Prefeitura de João Pessoa, por meio da Secretaria de Juventude, Esporte e Recreação (Sejer), vai apoiar pela primeira vez uma competição de jogos eletrônicos. O E-Sports João Pessoa será disputado nos dias 15, 16 e 17 de outubro, no Unipê, e deve reunir 64 equipes, sendo um total de 320 jogadores. A inscrição para o torneio é gratuita e começou nesta quinta-feira (23), no site: passeidelevel.com/torneio. O jogo escolhido para a competição foi League of Legends.

O secretário de Juventude, Esporte e Recreação de João Pessoa, Kaio Márcio, destacou que poucas prefeituras no Brasil incentivam os jogos eletrônicos e que esta competição será um marco para o desenvolvimento do esporte na cidade. “João Pessoa é uma das poucas prefeituras do Brasil que está fazendo e participando ativamente de uma competição de jogos eletrônicos, que é uma das modalidades que mais crescem no país”, destacou.

“Hoje, tem jogadores profissionais e que se dedicam apenas para isso participando de grandes equipes e recebendo um bom salário. É um esporte que a gente já vem abraçando e está prestes a entrar nos Jogos Olímpicos. Então, temos que incentivar os pessoenses desde agora, principalmente nossos jovens. A modalidade vem crescendo muito e estamos prontos para fazer essa primeira etapa”, finalizou Kaio Márcio.

Um dos organizadores do E-Sports João Pessoa, Odilon Queiroz, disse que é de fundamental importância o apoio da Prefeitura de João Pessoa. “Este é o primeiro passo do fomento do e-Sports na Capital. Esse apoio da Prefeitura é importantíssimo por saber que atualmente a indústria dos games possui um movimento maior do que a do cinema e da música, por exemplo, além do poder de inclusão social. É o que a gente almeja depois com esse projeto. Queremos mostrar para os jovens de João Pessoa que existe um caminho dentro da indústria dos games, seja como desportista, empreendedor ou desenvolver de software”, disse Odilon Queiroz.

Comentários

Outras Notícias