Operação Cifrão: em coletiva, presidente da FIEP, Buega Gadelha se defende de acusações

Operação Cifrão: em coletiva, presidente da FIEP, Buega Gadelha se defende de acusações

O presidente da Fiep, Buega Gadelha, convocou a imprensa campinense, no final da tarde de hoje, 02, e se defendeu das acusações que relacionam o envolvimento do Departamento Regional do Sesi com a Operação Cifrão.

Em um trecho da entrevista, o presidente disse que não há condições de ter havido crime de peculato, pois os recursos usados pelos ‘Sistema S’ é privado.

– Não fazemos nada com recursos públicos. É tudo privado e, jamais, poderia haver crime de peculato dentro do ‘Sistema S’ porque peculato é desvio de dinheiro público feito por funcionário público – contou.

Em outro momento, ele comentou a respeito das acusações de fraudes e irregularidades em obras.

– Na realidade em muitas das licitações e obras são exigidos depósitos de 5% a 10% e, quando eu fui fazer esse tipo de licitação pela primeira vez, é que aconteceu, umas duas a três vezes, que a empresa não cumpria com as responsabilidades e simplesmente sumia e nós tínhamos que terminar a obra por conta própria. Mas o regimento interno do Sesi e do Senai tem. E eu fui ao TCU em João Pessoa e perguntei se eu poderia fazer licitação exigindo os 5% ou 10% e ele disse: ‘não só pode, como deve’ – disse.

Ainda Buega: ‘Acusar as pessoas é muito fácil, o difícil é provar. E eu estou sempre pronto a provar, como neste caso de dizer que os recursos usados não são públicos, mas vão ver que os recursos são privados”, contou.

Comentários

Outras Notícias